Judiciário
Após negativa de Cármen Lúcia, defesa de Ricardo anuncia novo recurso no Supremo contra inelegibilidade
28/09/2022 19:50
Suetoni Souto Maior
Ricardo Coutinho tentava liberação para tomar posse, caso fosse eleito. Foto: Divulgação/Secom-PB

A defesa do ex-governador Ricardo Coutinho (PT) demonstrou, nesta quarta-feira (28), esperança na reversão da inelegibilidade do ex-gestor. Em nota divulgada após a negativa da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), ao recurso extraordinário relatado por ela, os advogados revelaram que vão recorrer à 1ª Turma da Corte, também integrada pela ministra e considerada a mais “linha dura” da Corte. Coutinho tenta reverter a inelegibilidade imposta pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por causa de suposto abuso do poder político e econômico nas eleições de 2014, quando ele disputou a reeleição.

O recurso à 1ª Turma é a esperança mais imediata. O grupo é formado por Cármen Lúcia e pelos ministros Luiz Fux, Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Dias Toffoli. Consultados pelo blog, vários advogados consideraram remota a possibilidade de reversão da questão na turma. A inelegibilidade foi arbitrada em grau de recurso no julgamento de Ações de Investigação Judicial Eleitoral (Aijes) feito pelo TSE em 2020. Desde então, o ex-governador tenta reverter a decisão tomada pelos ministros de forma unânime.

Em caso de insucesso no recurso à 1ª Turma, os advogados ainda esperam um resultado positivo no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) movida pelo Partido Solidariedade. A sigla alega ser inconstitucional usar como referência para a análise do impedimento o dia do registro de candidatura. A agremiação defende que o marco seja a data da diplomação, porque, sendo assim, seria eliminado o risco de oscilação na contagem. Isso porque quem ficou inelegível em 2014 permanece impedido agora. Já quem ficou inelegível em 2016 estará elegível em 2024, no mesmo espaço de 8 anos. Isso por causa do dia da votação.

Outra esperança da defesa diz respeito ao recurso interposto por ela no Tribunal Superior Eleitoral contra a impugnação do registro de candidatura do postulante, imposta pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) neste ano. Em nenhum dos casos, no entanto, a solução para o petista será fácil.

Confira a nota na íntegra

NOTA À IMPRENSA

Sobre a negativa de um dos recursos apresentados por Ricardo Coutinho no Supremo Tribunal Federal nesta quarta-feira (28), deve-se informar que incumbirá ainda a 1ª Turma do STF dar a palavra final sobre questão. É importante destacar também que ainda tramita no STF a ADIN 7197 ajuizada pelo Solidariedade e que discute, de forma mais ampla, o prazo de inelegibilidade aplicado nas ações eleitorais, o que pode afetar diretamente o caso de Ricardo Coutinho.

Além disso, corre, também, o recurso no TSE sobre o seu registro de candidatura. Portanto, a decisão desta quarta não afeta em nada a candidatura de Ricardo Coutinho, cujos votos permanecerão sendo computados e divulgados após as eleições de domingo, dia 02/10/2022. Há poucos dias do pleito, Ricardo Coutinho segue firme rumo à vaga no Senado Federal pela Paraíba, com a força e a certeza de que nada vence o trabalho, que sempre foram suas principais marcas por todos os cargos que ocupou.

João Pessoa, 28 de setembro de 2022.

IGOR SUASSUNA DE VASCONCELOS
EDUARDO DE ARAÚJO CAVALCANTI

Quer receber todas as notícias do blog através do WhatsApp? Clique no link abaixo e cadastre-se: https://abre.ai/suetoni

Palavras Chave