Executivo
Vítima da Covid-19, Marco Maciel morre aos 80 anos, castigado também pelo Alzheimer
12/06/2021 11:12
Suetoni Souto Maior
Marco Antônio de Oliveira Maciel morre vítima da Covid-19. Foto: Arquivo/Agência Brasil

As memórias vividas por nós são algo que carregamos e repassamos para os mais jovens. Essa referência me vem ao tomar conhecimento da morte do ex-vice-presidente Marco Maciel, cargo exercido entre 1995-2002. Confesso que nunca fui fã do político, mas também que nunca deixei de respeitar a trajetória do homem que cresceu politicamente durante a ditadura e chegou ao fim da vida pública sem ostentar denúncias de corrupção de qualquer sorte. Queira ou não, é um retrospecto difícil de imaginar nos dias de hoje.

Marco Maciel morreu neste sábado (12), aos 80 anos, vítima de complicações da Covid-19. Na biografia, a informação é a de que além do fato de ter sido governador, senador e vice-presidente, tendo Pernambuco como berço, ele chegou ao fim da vida sofrendo as consequências de uma doença devastadora. Ele sofria de Alzheimer, doença diagnosticada em 2014. Acabou se transformando em uma figura que viveu intensamente a política brasileira, do regime de exceção ao retorno da democracia, e que toda esta memória se perdeu.

Lembro que tomei conhecimento da doença poucos dias depois de ela ser diagnosticada. Na época, ninguém da imprensa sabia e decidi manter o segredo, por pedido, na época, da ex-primeira-dama, Ana Maria Maciel. Era fevereiro de 2014. Eu era editor de política do Diario de Pernambuco. Pensei, na época, uma série de reportagens visando o mês de março, dedicado às mulheres. A ideia era contar as história do poder, em Pernambuco, pela ótica das ex-primeiras-damas.

O repórter Tércio Amaral foi à casa do ex-vice-presidente e conversou com ele e Ana Maria Maciel. Dias antes, Marco Maciel tinha viajado para o Rio de Janeiro, onde participaria de reunião na Academia Brasileira de Letras (ABL). Ao desembarcar, deu de cara com uma constatação: não lembrava o que o tinha levado à Cidade Maravilhosa. Ligou para a mulher para perguntar. As consultas médicas realizadas a seguir revelaram o estágio inicial do Alzheimer. Ana Maria Maciel contou a Tércio e pediu sigilo. O assunto ainda não havia sido digerido pela família.

De volta à redação, Tércio me contou todo o fato e perguntou o que faríamos. Tínhamos nas mãos um furo que traria grande repercussão nacional naquele momento. Mas ponderamos que do ponto de vista ético estávamos presos ao pedido da família. Decidimos esperar eles nos liberarem para divulgar. Depois disso, deixei o Diario de Pernambuco, o tempo passou e só depois de mais de um ano, já em 2015, o tema ganhou repercussão nacional. Perdemos aquele furo, mas ganhamos o consolo de ter agido corretamente, já que não tínhamos fuçado. A informação foi dada em confiança.

De fato, as memórias daquele político ficariam muito bem em livros ou relatos, mas foram perdidas. O velório do ex-vice-presidente será no Salão Negro do Senado Federal, das 14h30 às 16h30 deste sábado, e o enterro, às 17h, no cemitério Campo da Esperança, em Brasília, de acordo com o familiar do político. As cerimônias serão restritas a familiares. Ele deixa mulher e três filhos.

Natural de Recife, em Pernambuco, Marco Antônio de Oliveira Maciel estudou na Universidade Federal de Pernambuco, concluindo sua graduação em direito em 1963. Depois disso, teve extensa carreira política.

Foi deputado estadual e federal pelo seu estado, Presidente da Câmara, governador de Pernambuco, ministro da Educação e da Casa Civil, vice-presidente da República durante o governo de Fernando Henrique Cardoso e senador.

Quer receber todas as notícias do blog através do WhatsApp? Clique no link abaixo e cadastre-se: https://abre.ai/suetoni

Palavras Chave