Judiciário
TCE questiona governo da Paraíba sobre a necessidade de comprar a vacina Sputnik V
21/07/2021 00:26
Suetoni Souto Maior
Aquisição da vacina russa gerou polêmica entre os governadores nordestinos e a Anvisa. Foto: Reprodução/Twitter

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) emitiu nesta semana alerta direcionado ao governo da Paraíba com questionamento sobre a “real necessidade” da compra da vacina russa Sputnik V. A decisão singular assinada pelo conselheiro Nominando Diniz é direcionada ao governador João Azevêdo (Cidadania) e ao secretário de Estado da Saúde, Geraldo Medeiros. A compra do imunizante é intermediada pelo Consórcio de Governadores do Nordeste e será custeada pelos estados da região com recursos próprios, de acordo com o alerta do TCE.

O imunizante Sputnik V deverá desembarcar no Recife, em Pernambuco, nos próximos dias. O lote inicial da vacina contra a Covid-19, de 1,1 milhão de doses, será distribuído para os demais estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe. A importação foi autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) com várias restrições. Os imunizantes chegam através do processo batizado de “importação excepcional e temporária”.

A decisão singular do conselheiro atende provocação feita pelo procurador-geral do Ministério Público de Contas/PB, Manoel Antônio dos Santos Neto, e pelo Procurador do Ministério Público Junto ao TCE (MPjTC), Luciano Andrade Farias. No alerta assinado pelo conselheiro, ele pede que o governador João Azevêdo avalie se a aquisição da vacina Sputnik V “ainda se justifica e é, de fato, necessária e viável, especialmente sob a ótica operacional e da economicidade”.

No questionamento direcionado ao governo do Estado, é perguntada a necessidade da aquisição da vacina e viabilidade da aplicação do ponto de vista operacional e da economicidade. Pede-se, também, a apresentação de um plano de aplicação e monitoramento do trabalho, com o atendimento das condicionantes impostas pela Anvisa. Além disso, a representação apresentada pelo Ministério Público pondera que tem havido regularidade no envio de vacinas à Paraíba.

“Segundo o procedimento padrão do programa de imunização, compete ao Governo Federal a aquisição dos imunizantes e distribuição aos Estados, que, por sua vez, os repassam aos municípios. A vacina Sputinik V não obteve da Anvisa aprovação emergencial para uso, apenas autorização excepcional para importação”, ressalta trecho da decisão singular do conselheiro.

Quer receber todas as notícias do blog através do WhatsApp? Clique no link abaixo e cadastre-se: https://abre.ai/suetoni

Palavras Chave