Covid-19
Vai com Deus meu grande amigo Eduardo Carneiro
01/05/2021 20:04
Suetoni Souto Maior
Eduardo Carneiro foi um grande exemplo para todos os jornalistas paraibanos. Foto: Edileide Vilaça

O que a gente aprende com a vida é que ela é feita de chegadas e partidas. Neste sábado, 1º de Maio, perdi um amigo que notabilizou-se durante a vida pela história que construiu no batente, fazendo jornalismo, uma das coisas que ele mais amava. E foi pelas mãos de Eduardo Carneiro que dei os meus primeiros passos na profissão. Ele me inspirou a tentar fazer sempre o melhor. E ele conseguia fazer isso com muita naturalidade porque foi sempre o melhor de nós. Um cara sem defeitos, competente e sempre comprometido.

Durante todo o tempo que trabalhei com Eduardo me impressionava o sorriso largo constante, quebrado apenas por alguns minutos quando precisava tratar de coisa série. Mas era por poucos instantes, porque logo vinha o bom humor e as coisas, por complicadas que fossem, eram resolvidas rapidamente. Bastava seguir o mestre. Tudo parecia simples para ele. Talvez por isso nosso colega ao longo da vida tenha se tornado uma das poucas unanimidades. Jamais vi qualquer tipo de queixa sobre Eduardo. Esta é uma característica invejável a qualquer um. Ele convencia pelo exemplo.

Trabalhei com Eduardo Carneiro primeiro no Jornal A União. Eu estava começando como estagiário e ele já era o principal repórter da equipe. Depois se tornou editor geral do veículo. Com ele, enquanto repórter, tive grandes aulas de jornalismo. Depois me tornei editor de página e na função fiquei até ser convidado por outra empresa. Vinte anos separaram aquele 2001, quando me mudei para o Jornal da Paraíba, e a minha nomeação para diretor de Comunicação da Câmara de João Pessoa. Era a chance de novamente trabalharmos juntos.

Eduardo ocupou até o fim do ano passado o cargo de adjunto de Comunicação da Prefeitura de João Pessoa. Com a mudança de governo, decidi convidá-lo para trabalhar comigo. Eu liguei e fiz o convite esperando um não e me enchi de alegria ao ouvir o sim. Ele foi nomeado para o cargo de diretor adjunto de Comunicação da Câmara e bastaram poucos dias para se tornar a grande referência da equipe. Por isso, a contaminação dele pelo novo Coronavírus gerou grande apreensão a todos. Eduardo tinha comorbidades e isso tornava a situação mais delicada.

Nosso amigo lutou pela vida para tentar vencer a Covid-19. Ao longo de quase dois meses, acompanhamos a angústia da família e os relatos feitos por Everaldo Ricardo. E Everaldo não deixou os amigos sem resposta. Todos os dias dava notícia sobre as evoluções e eventuais pioras do nosso amigo. A morte todos sabemos que faz parte do ciclo da vida, entretanto, nós, amigos, pedimos incessantemente a Deus para que ela não ocorresse. A pandemia mostrou sua face mais cruel também no caso do nosso colega de trabalho.

Depois das lágrimas vertidas, motivadas pelo impacto da notícia da morte, e olhando a reação de parentes e amigos, me vem a sensação de que aquele amigo maravilhoso que tivemos em vida cumpriu a sua missão na terra. Ficaram as lições e as boas lembranças. Eduardo não será esquecido. Vai com Deus meu grande amigo.

Palavras Chave