Executivo
Mudança no ICMS para reduzir valor dos combustíveis será inócua sem revisão da política de preços da Petrobrás
14/10/2021 14:58
Suetoni Souto Maior
Denúncias indicam que houve posto que elevou os preços enquanto o governo baixava. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (13), por 392 votos contra 71 e 2 abstenções, o projeto que estabelece um valor fixo para a cobrança de ICMS sobre combustíveis. A proposta que agora segue para análise do Senado visa a redução no valor final dos combustíveis. As projeções apresentadas pelo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), é que se chegue a uma redução de 8% no valor da gasolina, 7% para o etanol hidratado e 3,7% para o diesel B. A probabilidade de o benefício ser contínuo, no entanto, é bem próxima a zero.

A dificuldade de se prever o benefício vem da política de preços da Petrobrás. O valor do litro de gasolina comum em João Pessoa em outubro do ano passado variava entre R$ 4,07 e R$ 4,49. Agora, um ano depois, o valor cobrado chega a superar a casa dos R$ 6,30. E tudo isso porque o valor atualmente é calculado com base no preço do barril de petróleo no mercado internacional e no valor do dólar. De lá para cá, sem exceção, os montantes cobrados só cresceram de forma acelerada e não há indicativo de que chegamos ao teto dos aumentos. Isso apesar de a empresa ser estatal.

No caso específico, a Câmara forçou uma economia pequena, que pode cair por terra em caso de nova alta nos preços dos combustíveis. O texto obriga estados e Distrito Federal a especificar a alíquota para cada produto por unidade de medida adotada, que pode ser litro, quilo ou volume, e não mais sobre o valor da mercadoria. Na prática, a proposta torna o ICMS invariável frente a variações do preço do combustível ou de mudanças do câmbio.

Novo cálculo
Atualmente, o ICMS que incidente sobre os combustíveis é devido por substituição tributária para frente, sendo a sua base de cálculo estimada a partir dos preços médios ponderados ao consumidor final, apurados quinzenalmente pelos governos estaduais. As alíquotas de ICMS para gasolina, como exemplo, variam entre 25% e 34%, de acordo com o estado.

Segundo o texto aprovado pela Câmara, as operações com combustíveis sujeitas ao regime de substituição tributária terão as alíquotas do imposto específicas por unidade de medida adotada, definidas pelos estados e pelo Distrito Federal para cada produto.

Dr. Jaziel, relator do projeto
As alíquotas específicas serão fixadas anualmente e vigorarão por 12 meses a partir da data de sua publicação. As alíquotas não poderão exceder, em reais por litro, o valor da média dos preços ao consumidor final usualmente praticados no mercado considerado ao longo dos dois exercícios imediatamente anteriores, multiplicada pela alíquota ad valorem aplicável ao combustível em 31 de dezembro do exercício imediatamente anterior.

Como exemplo, os preços médios de setembro da gasolina comum, do etanol hidratado e do óleo diesel corresponderam, respectivamente, a R$ 6,078, R$ 4,698 e R$ 4,728, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP). Na forma do substitutivo, a alíquota seria calculada com base na média dos preços praticados de janeiro de 2019 a dezembro de 2020. Nesse período, os preços de revenda variaram de R$ 4,268 a R$ 4,483, no caso da gasolina comum; de R$ 2,812 a R$ 3,179, no caso do etanol hidratado; e de R$ 3,437 a R$ 3,606, no caso do óleo diesel.

Política de preços
O relator observou que os tributos federais e estaduais são responsáveis por 40,7% do preço da gasolina. “Independentemente da política de preços da Petrobras, a carga tributária é decisiva para o elevado custo dos combustíveis”, disse Dr. Jaziel.

Autor do projeto, o deputado Emanuel Pinheiro Neto apontou a alta carga tributária que pesa no bolso do consumidor. “Temos uma carga tributária de 36% do PIB. A maior parte do impacto é na pessoa humilde, em que o preço do combustível impacta tudo, como o custo do frete”, declarou. Ele afirmou ainda que é preciso rever medidas econômicas e a política de preços da Petrobras. “Esse projeto é somente o primeiro passo, mas é um passo glorioso.”

Quer receber todas as notícias do blog através do WhatsApp? Clique no link abaixo e cadastre-se: https://abre.ai/suetoni

Palavras Chave