Executivo
Lula, Dilma e Haddad estarão na filiação de Ricardo e Márcia ao PT
27/09/2021 17:45
Suetoni Souto Maior
Ricardo Coutinho ainda não se pronunciou sobre especulações. Foto: Divulgação

Ninguém se perde na volta. Este tem sido o mote trabalhado pela militância do ex-governador Ricardo Coutinho para falar sobre a saída dele do PSB para se filiar ao PT. O ato de filiação se dará em uma live na próxima quinta-feira (30), às 17h, transmitida pelo canal www.youtube.com/ptbrasil. De acordo com a direção estadual do partido, estarão presentes os ex-presidentes Lula e Dilma, o ex-ministro Fernando Haddad (Educação) e a presidente nacional da sigla, Gleisi Hoffmann (PR). O evento marcará a filiação também da ex-prefeita do Conde, Márcia Lucena.

Reprodução

A saída de Ricardo Coutinho para o PT ocorre em meio à tentativa do ex-governador de se reerguer politicamente. Depois de quase uma década de domínio político eleitoral no Estado, o agora ex-socialista vive o drama pessoal gerado pela operação Calvário. Coutinho é acusado pelo Grupo de Atuação Especial Contra à Corrupção (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba, de ter chefiado uma suposta organização criminosa suspeita de desviar recursos públicos. Coutinho nega as acusações e traça um paralelo entre as denúncias contra ele e as que atingiram o ex-presidente Lula.

Coutinho, inclusive, conquistou o respeito das lideranças nacionais do PT por ter ficado ao lado da sigla nos momentos mais difíceis vividos pela agremiação em sua história. O primeiro foi o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016. Depois foi a prisão do ex-presidente Lula, em 2018, quando ele ficou impedido de disputar as eleições. Ricardo iniciou a carreira política nas fileiras do PT e deixou a sigla há quase duas décadas por causa de divergências internas.

Na ida para o PT, Ricardo é acompanhado de três deputados estaduais. A lista inclui os socialistas Jeová Campos, Estela Bezerra e Cida Ramos. Os três, no entanto, só poderão formalizar a troca de partido no ano que vem, quando será aberta a “janela da infidelidade”. É justamente quando os filiados a um partido conseguem mudar de legenda sem risco de ter o mandato contestado na Justiça. A saída dos militantes do partido puxados por Ricardo Coutinho ocorre depois do rompimento na base que ajudou a eleger o atual governador, João Azevêdo (Cidadania).

Quer receber todas as notícias do blog através do WhatsApp? Clique no link abaixo e cadastre-se: https://abre.ai/suetoni

Palavras Chave