Judiciário
Gaeco alega que Ricardo Coutinho teria cobrado propina de 10% de empresário para financiar casa de alto luxo
01/11/2021 13:37
Suetoni Souto Maior
Ricardo Coutinho foi alvo da 23ª denúncia protocolada pelo MPPB na operação Calvário. Foto: Divulgação

10%. Este teria sido o percentual cobrado por pessoas ligadas ao ex-governador Ricardo Coutinho (PT), a título de propina, a empresário do setor agrícola. As informações são do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba (MPPB), e estão na 23ª denúncia no âmbito da operação Calvário. A suposta triangulação teria irrigado os cofres do grupo para supostamente contribuir com a compra da casa de alto padrão onde vive hoje o ex-socialista. O valor do imóvel localizado no condomínio Bosque das Orquídeas, no Portal do Sol, foi de R$ 1,7 milhão.

A denúncia relata o caminho supostamente percorrido pelo dinheiro usado na compra. Além do ex-governador também foram denunciados o irmão dele, Coriolano Coutinho; a irmã, Raquel Vieira Coutinho; o filho do ex-governador Ricardo Cerqueira Coutinho (Rico Coutinho); além dos empresários Ivanilson Araújo, Denise Pahim e Anelvina Sales Neta. O empresário Ivanilson Araújo teria sido o responsável por amealhar contratos com o governo do Estado e repassar parte do dinheiro de volta para parentes do ex-governador.

Leia também

. Em nova denúncia, Gaeco acusa Ricardo de ter usado dinheiro de propina para comprar casa no Portal do Sol

De acordo com a denúncia protocolada na semana passada, o proprietário da Santana Agroindustrial LTDA. recebeu do governo estadual R$ 2,9 milhões em 22 de fevereiro de 2018. Em seguida, no dia 28 do mesmo ano e mês, Ivanison Araújo, sócio-administrador da empresa, teria transferido R$ 300 mil para Raquel Vieira Coutinho. Ela, na sequência, no dia 9 de março, teria feito depósito de R$ 289 mil em aplicação usada pelo ex-governador para, no dia 14 de março de 2018, para compor os R$ 409,9 mil dados como parta na compra do imóvel.

O grupo empresarial citado na denúncia recebeu do governo do Estado, de acordo com os dados obtidos no Sistema Sagres do Tribunal de Contas do Estado (TCE), R$ 70 milhões entre 2011 e 2018. Na denúncia, Ricardo Cerqueira é acusado de lavagem de dinheiro, enquanto os outros denunciados respondem por crimes de lavagem e corrupção passiva. Na ação os investigadores apontam a necessidade de reparação de R$ 7,3 milhões. A triangulação, alega a denúncia, teria ocorrido através da simulação de compra de um terreno na região de Macaíba, no Rio Grande do Norte.

Quer receber todas as notícias do blog através do WhatsApp? Clique no link abaixo e cadastre-se: https://abre.ai/suetoni

Palavras Chave