Legislativo
Veneziano vai a jantar com Lula e atribui a governistas o boato de que desistirá da candidatura
11/04/2022 08:28
Suetoni Souto Maior
Veneziano Vital busca exclusividade no palanque de Lula. Foto: Reprodução/TV Senado

O senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB) participará nesta segunda-feira (11) do jantar de senadores com o ex-presidente Lula (PT). O parlamentar firmou aliança, no mês passado, com o PT da Paraíba, visando as eleições deste ano. Ele pretende disputar o governo do Estado e deverá ter como companheiro de chapa o ex-governador Ricardo Coutinho (PT), que tentará a disputa pelo Senado. Este último precisará reverter a inelegibilidade imposta pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para conseguir a inscrição para a disputa.

Veneziano briga para ter exclusividade no palanque do ex-presidente Lula na Paraíba e acusa os apoiadores do governador João Azevêdo (PSB), seu principal adversário no agrupamento de esquerda, de espalharem que ele não será candidato. “É tão evidente que o governo trabalhou nos últimos dias com a perspectiva de que eu não seria candidato que nem precisa do corpo pericial”, ironizou o parlamentar. O risco de não o parlamentar não ter exclusividade no palanque aumentou com a indicação do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSB), para vice de Lula.

O alinhamento de Veneziano com o ex-presidente Lula é classificado por ele como fato consumado. O jantar desta segunda-feira vai acontecer na casa do ex-presidente do Senado Eunício Oliveira (MDB-CE). Vai reunir os emedebistas do Nordeste, mas também de outros estados e até parlamentares do PSD e do PP, este último um partido alinhado com o presidente Jair Bolsonaro (PL). O movimento dos emedebistas em direção a Lula ocorre apesar de o partido ter uma pré-candidatura lançada, trata-se da senadora Simone Tebet (MS). A parlamentar trabalha o próprio nome com terceira via.

Um dos senadores convidados para o jantar disse à CNN, em caráter reservado, que a ideia, para além do aspecto simbólico, é levar a Lula análises críticas em relação aos últimos movimentos do petista. A avaliação desse parlamentar é a de que as declarações do ex-presidente nesta semana foram desastrosas e que, para evitá-las, Lula precisa expandir suas conversas para além do núcleo duro do PT. Entre elas, Lula defendeu o direito de mulheres fazerem o aborto, incentivou protestos contra congressistas e disse que, se eleito presidente, retiraria militares de cargos comissionados no Governo.

A agenda do ex-presidente Lula em Brasília também deve contar com uma visita ao Acampamento Terra Livre, organizado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib).

Por Ana Beatriz Souto Maior

Quer receber todas as notícias do blog através do WhatsApp? Clique no link abaixo e cadastre-se: https://abre.ai/suetoni

Palavras Chave