Legislativo
Desafio de Queiroga na CPI será provar ter a autonomia que faltou aos antecessores
05/05/2021 20:33
Suetoni Souto Maior
Marcelo Queiroga é o terceiro ouvido pela CPI da Pandemia. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O ministro Marcelo Queiroga (Saúde) não terá vida fácil na CPI da Pandemia nesta quinta-feira (5). O paraibano é o terceiro entre os que tiveram assento na pasta a prestar depoimento. O antecessor, o general Eduardo Pazuello, pediu adiamento da oitiva alegando contato com pessoas que testaram positivo para Covid-19 nos últimos dias. De resto, pelo que vimos até agora, após depoimentos de Henrique Mandetta e Nelson Teich, o problema na pasta é a falta de autonomia para quem queira decidir de acordo com a ciência sobre como enfrentar a pandemia do novo Coronavírus.

Queiroga é médico cardiologista, é da área, e tem adotado um discurso distinto do apregoado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ele prega o isolamento social e o uso de máscara, apesar de as medidas serem ignoradas pelo presidente. Um tema espinhoso diz respeito ao tratamento precoce com uso de cloroquina e hidroxicloroquina, defendido pelo chefe do Executivo ao longo da pandemia. Este foi um dos motivos alegados por Nelson Teich para ter deixado o Ministério da Saúde.

Da mesma forma, e por uma série de outros motivos, Henrique Mandetta deu adeus à pasta. O único que topou o discurso e colocou em prática no grau máximo de aceitação as regras ditadas pelo presidente foi Pazuello. O general do Exército, diga-se de passagem, mandou cloroquina para resolver o problema da falta de oxigênio em Manaus na crise registrada no início do ano. As decisões erradas passaram ainda pela rejeição da compra de vacinas ofertadas por vários laboratórios.

A falta de autonomia, vale ressaltar, esteve entre os argumentos utilizados pela médica Ludhmila Hajjar para não aceitar o comando do Ministério antes mesmo de ele ser oferecido a Queiroga. Ela alegou falta de convergência com o presidente após reunião. E deve vir desta questão técnica outro questionamento que será feito a Queiroga. O de que o comitê científico constituído pelo Ministério da Saúde para apontar protocolos de tratamento famacológico recomendou o não uso de cloroquina e hidroxicloroquina pelos pacientes.

Afora disso, a falta de vacinas deve estar entre os questionamentos. Isso porque tanto o antecessor quanto o próprio Queiroga recomendaram, em certo momento, que os municípios não guardassem a segunda dose da vacina. A ideia era que a imunização andasse mais rápido. A medida, para dar certo, necessitaria de fornecimento perene das vacinas, o que não aconteceu. O resultado foi o caos em vários estados, inclusive a Paraíba, por causa da falta dos imunizantes necessários para a continuidade da campanha de vacinação.

Depoimento

O depoimento de Marcelo Queiroga está previsto para ter início às 10h. No mesmo dia, a partir das 14h, será ouvido o diretor-presidente da Agência de Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres. Queiroga está à frente do Ministério da Saúde desde 23 de março deste ano. Ele assumiu a pasta quando as mortes pela Covid-19 giravam em torno de 300 mil no Brasil. Entramos nesta quarta-feira na marca de 414 mil pessoas mortas em decorrência da pandemia.

O ministro é fortemente cobrado pela vacinação em massa da população. Há poucos dias, em 26 de abril, Queiroga participou de audiência pública da Comissão Temporária da Covid-19 (CTCOVID19)

À época, Queiroga afirmou que o governo não reduziu suas metas iniciais de imunização, apenas retirou do cronograma vacinas que ainda não foram aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como a indiana Covaxin, que inicialmente teria previsão de 20 milhões de doses em calendário do Ministério da Saúde.

Quer receber todas as notícias do blog através do WhatsApp? Clique no link abaixo e cadastre-se: https://chat.whatsapp.com/LjSHneKlLUKKzBM0oa0Lpd

Palavras Chave