Legislativo
Daniella Ribeiro relata ‘violência política de gênero’ durante painel nos Estados Unidos
11/04/2022 08:47
Suetoni Souto Maior
Daniella Ribeiro conta em evento que foi perguntada na campanha sobre o que o pai dela achava da candidatura. Foto: Divulgação

A senadora Daniella Ribeiro (PSD-PB) participou do painel sobre segurança no Brazil Conference, em Boston (EUA), neste final de semana. Essa foi a oitava edição do evento que reúne lideres e representantes da diversidade do Brasil para discutir temas como política, economia, cultura e sociedade.

A participação de Daniella foi no painel ‘Instigando a promoção de um Brasil mais seguro’, com mediação de Samira Bueno, diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Um dos temas abordados pela senadora foi a violência política de gênero, projeto do qual foi relatora no Senado Federal e também, ela própria, vítima desse tipo de violência em sua trajetória política por mais de uma vez.

“A primeira vez que sofri violência política de gênero eu não entendia que estava passando por isso porque ela é muito sutil e ainda não tinha nome. Quando ganhei a eleição para vereadora um jornalista fez uma matéria dizendo que eu fui eleita para passar batom e pentear o cabelo na Câmara”, contou a senadora.

Ela citou ainda outras situações vividas por ela que se configuram como violência política de gênero, como quando, por exemplo, na campanha para o Senado Federal, em 2018, perguntaram a ela o que o pai achava de sua candidatura. “Qual homem é perguntado sobre o que pai acha sobre sua eleição?”, pontuou.

Daniella lembrou que o levantamento feito pela ONU ‘Mulheres Brasil em 2020’ mostrou que, do total das mulheres que ocupam espaços políticos, 82% já sofreram violência psicológica, 45% foram alvo de ameaças, 25% foram violentadas fisicamente no espaço parlamentar e 40% afirmam que a violência atrapalhou a sua agenda legislativa.

Em julho do ano passado, Daniella foi relatora do PL 5.613/2020, que estabelece normas para prevenir, reprimir e combater a violência política contra a mulher. O texto que protege as candidatas a cargos eletivos, criminaliza a divulgação de fato ou vídeo com conteúdo inverídico no período de campanha eleitoral e assegura a participação de mulheres em debates eleitorais proporcionalmente ao número de candidatas às eleições.

Participaram do painel, também, Ilona Szabó, co-fundadora e presidente do Instituto Igarapé; e Cristiano Zanin, advogado, professor e escritor. O Brazil Conference é realizado pela comunidade brasileira de estudantes em Boston.

Por Ana Beatriz Souto Maior, com assessoria

Quer receber todas as notícias do blog através do WhatsApp? Clique no link abaixo e cadastre-se: https://abre.ai/suetoni