Legislativo
Com debate acalorado e votação apertada, deputados concedem Título de Cidadão Paraibano a Bolsonaro
27/12/2022 13:24
Suetoni Souto Maior
Bolsonaro logo após derrota nas urnas, ao lado do ex-ministro Anderson Torres (Justiça), também investigado. Foto: Divulgação/ABr

O presidente Jair Bolsonaro (PL) teve aprovado, nesta terça-feira (27), o Título de Cidadão Paraibano. A votação foi apertada, terminando com placar de 12 votos a favor e 11 contra a concessão da honraria. Não faltaram ironias e trocas de acusações entre deputados favoráveis e contrários ao “agrado” ao mandatário, derrotado nas eleições deste ano. O fato de a Casa ter concedido o mesmo benefício ao presidente eleito Lula (PT), em 2003, foi usado como argumento por apoiadores para justificar a concessão da honraria ao gestor.

A comenda foi concedida um dia depois de o presidente viajar para os Estados Unidos, onde vai descansar por alguns dias. Bolsonaro decidiu não fazer a entrega da faixa presidencial para Lula, vitorioso nas urnas, como manda a tradição. Os dois principais defensores da comenda, na Assembleia Legislativa, foram os autores do projeto que pediu a concessão da honraria: Wallber Virgolino e Cabo Gilberto, ambos do PL. Eles ocuparam a tribuna para defender a concessão do Título de Cidadania.

Wallber Virgolino traçou um comparativo entre os legados de Bolsonaro e Lula, alegando que o primeiro trouxe muito mais recursos para o Estado. Um comentário ironizado pela deputada socialista Pollyanna Dutra, para quem restou abandono e incompetência duerante a gestão do mandatário, alegando que ele descontinuou o que realmente funcionava no país. Ela também alegou má-gestão na saúde durante a pandemia, lembrando que vacinas venceram e também citou um episódio em que o presidente foi acusado de xenofobia com os paraibanos.

O Cabo Gilberto fez críticas à Assembleia por ter concedido o mesmo título a Lula. Para justificar o argumento, ele lembrou que o petista foi condenado em três instâncias. As condenações em questão foram as derrubadas pelo Supremo Tribunal Federal tanto na avaliação de que o juízo de Curitiba (PR) não era a instância correta para os julgamentos, mas também pelo fato de o ex-juiz Sérgio Moro ter sido considerado parcial nos julgamentos. Cida Ramos, ao rebater o apoiador do presidente, classificou Bolsonaro de fascista.

Veja como votaram os deputados

Votaram sim

Anderson Monteiro (MDB)

Cabo Gilberto (PL)

Camila Toscano (PSDB)

Wallber Virgolino (PL)

Tarciano Diniz (União)

Jane Panta (PP)

Drª Paula (PP)

Felipe Leitão (PSD)

Galego de Souza (PP)

Jutay Menezes (Republicanos)

Moacir Rodrigues (PL)

Tovar (PSDB)

Votaram não

Anísio Maia (PSB)

Edmilson Soares (PSB)

Chió (Rede)

Cida Ramos (PT)

Doda de Tião (PTB)

Estela Bezerra (PT)

Inácio Falcão (PCdoB)

Jeová Campos (PT)

Pollyanna Dutra (PSB)

Ricardo Barbosa (PSB)

Wilson Filho (Republicanos)

Abstenções

Adriano Galdino (Republicanos)

Buba Germano (PSB)

Dr. Érico (Cidadania)

AUSENTES

Bosco Carneiro (Republicanos)

Branco Mendes (Podemos)

Caio Roberto (PL)

Hervázio Bezerra (PSB)

Eduardo Carneiro (SD)

João Gonçalves (PSB)

Junior Araújo (PSB)

Manoel Ludgério (PSD)

Raniery Paulino (Republicanos)

Tião Gomes (PSB)

Quer receber todas as notícias do blog através do WhatsApp? Clique no link abaixo e cadastre-se: https://abre.ai/suetoni

Palavras Chave